Albérisson Carlos destaca importância da nomeação dos 729 Policiais Militares e aponta dados para reforçar o efetivo em Pernambuco

O Presidente da Associação Pernambucana dos Cabos e Soldados tem voz ativa e participação direta na busca por vagas, tanto para a Polícia Militar, quanto para o Corpo de Bombeiros no Estado.

Publicado em - 26 de janeiro de 2022

Albérisson Carlos destaca importância da nomeação dos 729 Policiais Militares e aponta dados para reforçar o efetivo em Pernambuco

Albérisson Carlos destaca importância da nomeação dos 729 Policiais Militares e aponta dados para reforçar o efetivo em Pernambuco. Foto: Arte Portal de Prefeitura.

O Governo de Pernambuco, através da Secretaria de Defesa Social, publicou no Diário Oficial desta quarta-feira, 26 de janeiro, a nomeação de 868 dos novos profissionais das Polícias Civil, Científica e Militar. O presidente da Associação Pernambucana dos Cabos e Soldados, Albérisson Carlos, tem voz ativa e participação direta na busca por vagas, tanto para a Polícia Militar, quanto para o Corpo de Bombeiros no Estado. É uma causa encabeçada por ele, baseada em estudos científicos e experiência à frente da entidade que representa os Militares estaduais.

“Nosso trabalho é incansável. Temos estudos internacionais que comprovam: quanto maior a desigualdade social, maiores são os índices de violência. Quanto maior os índices de violência, mais Policiais são necessários para conter a criminalidade. Por isso estamos sempre levantando essa bandeira de contratações e damos boas vindas aos novos Policiais Militares de Pernambuco”, destaca Albérisson.

Porém, para Albérisson esse número estaria abaixo da necessidade real da sociedade pernambucana. A reportagem veiculada hoje no Jornal Commercio fala que seriam necessários, pelo menos, 26.865 profissionais na PMPE, para que houvesse um número mínimo necessário para dar conta da demanda que sufoca Batalhões, Companhias e Companhias Independentes.

Atualmente o número de Policiais da ativa gira em torno de 16 mil homens e mulheres, ou seja, seria preciso contratar mais de 10 mil Policiais para começar a se pensar em fazer Segurança Pública com uma certa qualidade, atendendo às necessidades físicas e emocionais que o serviço exige dos seus profissionais. Sobre isso, Albérisson destaca que as cidades precisam de mais policiamento, principalmente no interior.

“As contratações são bem vindas, mas estão longe de suprir a real necessidade. As cidades precisam de mais policiamento, principalmente no interior. Há localidade com quadro, cinco policiais para dar segurança a toda população. Eles estão vulneráveis. Isso sem contar que muitos estão afastados por problemas de saúde por causa da sobrecarga de trabalho”, disse o Presidente da Associação Pernambucana dos Cabos e Soldados à reportagem do JC.

A busca por efetivo tem explicação. Segundo Albérisson, a sobrecarga atrapalha não somente a saúde dos Policiais, mas também a qualidade do serviço prestado por eles.

“É simples. Se um fábrica tem poucos funcionários, a empresa não vai produzir o bastante. Se um deles precisar se afastar por problemas de saúde, vai ficar ainda pior. O mesmo ocorre com a Segurança Pública. Poucos Policiais na rua sobrecarrega quem está de serviço. Efetivo redução não dá conta da demanda. Por isso continuamos em busca de novas contratações”, finaliza Albérisson.

Notícias Relacionadas

Abrir Chat
Olá 👋 Podemos te ajudar?
Olá 👋
Podemos te ajudar?