ACS-PE emite nota de pesar pela morte de Policial em Salvador

A entidade se pronunciou sobre a morte de PM na Bahia, no qual se referiu como uma “tragédia”.

Publicado em 29 de março de 2021

A Associação de Cabos e Soldados de Pernambuco (ACS-PE) emitiu uma nota de pesar pela morte do policial militar que disparou tiros de fuzil contra agentes do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) depois de um surto psicótico no Farol da Barra, em Salvador, na tarde de domingo (28).

O PM chegou armado no local, às 14h, quando iniciou os disparos. Logo em seguida, a região foi cercada por unidades do Comando de Policiamento Regional (CPR) Atlântico, que isolaram o local.

Às 15h, uma equipe do Bope iniciou a negociação. O soldado alternava momentos de lucidez com acessos de raiva, acompanhados de disparos. Além dos tiros, o soldado arremessou grades, isopores e bicicletas, no mar.

Nota de pesar da CAS-PE:

“A ACS-PE lamenta profundamente a tragédia ocorrida em Salvador. Concordamos plenamente com a nota enviada pela ANERMB (Associação Nacional das Entidades Representativas de Policiais e Bombeiros Militares e Pensionistas do Brasil), entidade a qual o nosso presidente, Albérisson Carlos, atua como diretor. A ACS-PE, inclusive, já notificou em outras ocasiões, os órgãos responsáveis pela segurança pública no estado, a respeito da sobrecarga e estresse da tropa. Seguimos em busca de respeito e dignidade”.

Nota de repúdio da ANERMB:

“A ASSOCIAÇÃO NACIONAL DAS ENTIDADES REPRESENTATIVAS DE POLICIAIS MILITARES E BOMBEIROS MILITARES E PENSIONISTAS DO BRASIL ANERBM, neste ato representando os mais de 200.000 (duzentos mil) Policiais Militares, Bombeiros Militares, ativos, veteranos e pensionistas do Brasil, vem publicamente manifestar nosso REPÚDIO e indignação pela insensatez do Ministério da Saúde em não perceber que os Policiais Militares e Bombeiros Militares dos Estados estão na linha de frente do combate à COVID 19, seja no combate à criminalidade ou na manutenção da ordem, sacrificando suas vidas, se contaminando e levando o coronavírus para casa e infectando seus familiares. São mais 1.200 militares estaduais vitimados fatalmente pelo coronavírus durante a pandemia.

Ao colocar as Forças de Segurança Pública em 19ª posição para vacinação conforme estabelece o Plano Nacional de Operacionalização elaborado pelo Ministério da Saúde que orienta estados e municípios sobre as populações que devem receber as doses antes, de acordo com a oferta de vacinas, é nos tratar como números e sem valor social.

Esperamos que o Presidente da República Federativa do Brasil, Capitão Jair Messias Bolsonaro, possa rever esse plano e insira os Militares dos Estados no rol prioridades de vacinação da COVID 19, semelhante aos trabalhadores da saúde.

Leonel Lucas–SGT BMRS Presidente da ANERMB”.

Notícias Relacionadas

Desenvolvido por Alexsander Arcelino